Sobre o HTML 5

HTML 5 No início de 2009, o W3C anunciou a primeira especificação do HTML5.

A versão atual do HTML é a 4.0.1, e a versão final do HTML está prometida para 2012.

Foram feitas grandes alterações que favorecem a semântica, que incluem:

  • novas API’s
  • Elemento <canvas> para desenhos dinâmicos;
  • Network status (online/offline);
  • Utilização de um plugin gratuito de áudio e vídeo via tags;
  • contentEditable – Editor rico de conteúdo;
  • Drag and Drop de elementos;
  • Cross-document e cross-domain messages;
  • Histórico de navegação em Ajax;
  • Geolocation API;
  • Maior controle de dados sobre formulários;
  • Armazenamento de dados no cliente;
  • Web worker threads;
  • Melhoria na depuração de erros;
  • Entre outros avanços.

Esta evolução da linguagem padrão para web pode eliminar a necessidade de plug-ins para aplicações multimídia em navegadores. Diversos críticos consideram a tecnologia como um forte concorrente ao Flash do Adobe, Silverlight, da Microsoft, e o recente JavaFX, da Sun.

Recentemente, Shantanu Narayen, diretor executivo do Adobe, disse que o Flash não irá perder mercado, porem a versão 5 do HTML já está sendo chamado de “Flash-killer”. Estas tecnologias precisarão se adaptar rapidamente para conseguir manter-se no mercado, tão popular quanto hoje.

Na avaliação do co-diretor de ferramentas da Mozilla, Ben Galbraith, as tecnologias viabilizadas pelo HTML 5 como o Canvas para desenhos 2D e o armazenamento de conteúdos no desktop, permitirão que “usemos mais o browser do que nunca”.

Após dez anos sem atualizações, a forma como se escreve páginas na Internet passa por uma boa transformação. O HTML 5 oferece uma experiência web totalmente diferente para usuários e embora exista um longo caminho para ser finalizado, os navegadores mais importantes, como o Opera, Google Chrome, Safari 4, o novo Firefox 3.5 e o Internet Explorer 8 já implementaram partes da linguagem, incluindo tags de vídeo e suporte à tecnologia Canvas.

Na versão 4 do HTML, a atual, o navegador não distingue o que é topo, conteúdo, rodapé e menu, mas com o HTML 5 isso irá mudar, veja:

Estrutura de código com o HTML 4:

<body>
  <div id="topo">...</div>
   <div id="menu">...</div>
   <div class="content">...</div>
   <div id="barralateral">...</div>
   <div id="rodape">...</div>
  </div>
</body>

 

html5_estrutura Estrutura de código com o HTML 5:

<body>
  <header>...</header>
  <nav>...</nav>
  <section>
    <header>...</header>
    <article>...</article>
    <footer>...</footer>
  </section>
  <aside>...</aside>
  <footer>...</footer>
</body>

Ou seja, agora o navegador terá um conhecimento real de como o layout está sendo renderizado, o que é o rodapé, o conteúdo, a barra lateral da direita e etc. E claro, isto irá auxiliar muito os mecânismos de busca a filtrar informações úteis ou não. Talvez o que está em “header” não interesse muito, talvez o mais importante será o que está dentro de “article”, e por ai vai as possibilidades de mudanças que a nova tecnologia nos dará.

Repare pela imagem representando o layout que os elementos header e footer não são exclusivos da página, mas pode ser usado para representar o topo e o rodapé de qualquer conteúdo (ou article).

Bom, não vamos extender muito o tópico, resumi bem e de forma simples o que é o novo HTML.

Nos próximos artigos sobre o HTML 5 eu vou mostrar detalhadamente sobre as novas TAGs e atributos e quais são suas funcionalidades. Também irei mostrar um exemplo prático de como desenvolver o HTML 5.

Abraços!